logo
Governo e política, crime e segurança, arte, escola, dinheiro e principalmente gente da cidade sem portas
post

O nosso gambá

.

hjhjhjh

Um gambá no telhado. E logo na praia?

.

gghghghg

Não é todo mundo que tem um gambá para chamar de seu. Ele é arredio, não desce do telhado. Teme cachorros e água fria. Diferente dos primos do hemisfério norte, tem o rabo fininho, com pouca pelagem. E aparentemente não tem cheiro de gambá, o que levantou uma questão: não será uma raposinha?

 

 

 

 

 

 

 

.

Posted on 5th janeiro 2018 in Sem categoria  •  No comments yet
post

Pontal do Sul é daqui a cinco horas, vai encarar?

.

 

hkhkhkh Perigo, é a estradinha do Pontal.

 

 

 

 

.

A praia de Pontal do Sul é a mais bonita do Paraná. Alguém discute essa afirmação do guia turístico?

Mas também é a mais complicada, remota, às vezes inacessível.

Dia 29 às 17h12min a estrada de acesso – é mais correto chamá-la de trilha ou carreador – estava travada, como de costume. O trajeto de 20 quilômetros, entre a BR 277 e Praia do Leste, levou três horas. Os 19 quilômetros até Pontal do Sul foram percorridos mais depressa – uma hora e vinte.

Quarenta quilômetros em 4h20.

A concessionária não está nem ai. Cobra 19,50 de pedágio dos carros de passeio e o motorista deve agradecer porque este não é o mais caro do Paraná. Em Jataizinho, no norte do Estado, rodar 100 quilômetros custa 22 reais.

Esses preços são corrigidos para cima de tempos em tempos com a cumplicidade da Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Infraestrutura do Paraná (Agepar).

A Agepar concorda que você divida a pista única e molhada com motos, caminhões de entrega de cerveja, que vão parando de bar em bar, caminhões-tanque, ônibus, até patrolas.

O trecho Curitiba-Paranaguá da BR-277 foi construido pelo governo do Paraná com ajuda federal. Inaugurado em 1967, foi privatizado em 1997, durante o governo de Fernando Henrique Cardoso.

Uma cláusula do contrato de concessão determinava que a concessionária duplicasse o trecho até Praia de Leste. Em 2000, houve um aditivo contratual que não falava mais em duplicação.

Foram vários os aditivos – em nenhum deles o povo saiu ganhando.

Uma Comissão Parlamentar de Inquérito concluiu que o pedágio devia baixar – mas o pedágio não baixou.

A estrada e suas estradinhas alimentadoras resumem os vícios do capitalismo tardio que se instalou no país depois da Segunda Guerra.

Algum dia os livros de história apontarão a BR-277 como a prova definitiva de que o lucro do grande empresário vem do seu Departamento Jurídico e do Setor de Operações Estruturadas – nunca do Departamento de Engenharia.

***

P.S. – Hoje é sexta-feira, tenho que ir. Boa viagem para todos.

 

 

 

Posted on 4th janeiro 2018 in Sem categoria  •  No comments yet
post

No tempo do Jazz Band

Saiu no Bem Paraná:

 

Era fevereiro de 1959 e a boa música do quinteto de Breno Sauer fervia na boate La Vie en Rose, situada na Visconde de Nacar, região das bocas, quando um jipe militar encostou em frente e dele desceram quatro homens fardados armados com metralhadora e pistolas. Entraram e o sargento que comandava a patrulha perguntou:

– Tem soldado aprontando ai?
– Não senhor, respondeu assustado o proprietário Paul Brodman.
– Você tá armado?
– Não senhor, garantiu Brodman, abrindo o paletó.
– Então tá tranquilo e vou dar uma canja, concluiu o sargento Raul de Souza, retirando seu trombone de válvula da caixa. E encheu o ambiente com ‘Wee Dot’, do trombonista J.J. Johnson, inspirador de Raul, então Raulzinho do Trombone, e outros jazzistas pelo mundo.

Raul de Souza, que trocou o trombone de válvula pelo de vara e foi considerado um dos maiores trombonistas do mundo, era um dos vinte músicos do Rio de Janeiro recrutados, no final da década de 1950, para formar a Banda da Base Aérea e reinventar a música na noite curitibana. A chegada deles foi um choque de qualidade, na linguagem dos economistas, narrado no livro ‘Curitiba no Tempo do Jazz Band’, recém-lançado pelo jornalista Adherbal Fortes de Sá Júnior. A pesquisa levou oito anos e foi feita graças a um pequeno financiamento da lei municipal de incentivo à cultura para o projeto ‘Vestido Branco, Uma Aventura Musical’. Resultou em 300 entrevistas com músicos, empresários da noite e frequentadores das rodas de jazz e bossa nova nos tempos em que os paranaenses celebravam as boas colheitas do ouro verde.

O ciclo do café, que começou no início do século e atingiu o seu auge na década de 1960, não trouxe apenas explosão demográfica e desenvolvimento social ao Paraná. A pujante economia cafeeira que engordou os cofres do Tesouro e enriqueceu agricultores também influenciou o cenário musical de Curitiba. Na fria capital paranaense brilhavam grandes instrumentistas, compositores e cantores, além de mulheres fantásticas que vinham da Argentina dançar nos cabarés e boates. Todos atraídos pelo dinheiro que circulava abundante.

Curitiba era um grande centro musical. Havia bons músicos e orquestras bem afinadas. Cada emissora de rádio tinha orquestra e conjunto regional. Clubes, cafés, restaurantes e hotéis procuravam músicos. A demanda maior era das casas noturnas, que se multiplicavam no centro da cidade. A cena ganha efervescência durante um quarto de século que começou em 1950, com a volta da democracia, a eleição de Getúlio Vargas e as festas do centenário da emancipação política do Paraná. A festa de jazz e bossa nova só perdeu o brilho quando a geada negra de 1975 devastou praticamente a totalidade dos pés de café existentes no estado.

Adherbal Fortes trabalhou em jornais e televisões e foi coautor, com Paulo Vítola, dos musicais “Cidade Sem Portas” e “Terra de Todas as Gentes”, o primeiro encenado durante um ano no recém-inaugurado Teatro do Paiol, o segundo escrito para inaugurar o grande auditório (2.200 lugares) do Teatro Guaíra, em 1975.

Serviço
“Curitiba no Tempo do Jazz Band” – à venda nas Livrarias Curitiba
Contato com o autor – afortesjr@uol.com.br, fone (41) 9 8433 1070

Posted on 24th dezembro 2017 in Sem categoria  •  No comments yet
post

Natal caraíba

.

 

ghghg Abaporu, de Tarsila do Amaral, símbolo do movimento antropofágico. Aba quer dizer homem em tupi-guarani. Poru é comedor de carne humana.

 

.

Neste Natal os curitibanos devem se sentir muito Oswald de Andrade.

Unidos pela antropofagia.

Só me interessa o que não é meu. Lei do homem. Lei do antropófago.

Greca e Doria estudam cortar a gratuidade dos idosos. Que já sofrem restrição ao acesso às Unidades de Pronto Atendimento.

Essas coisas têm uma lógica. Menos UPAs, menos idosos.

Horror? Não – equilíbrio fiscal.

O Brasil Caraiba ressurgiu das cinzas. De terno e gravata.

Posted on 24th dezembro 2017 in Sem categoria  •  No comments yet
post

Então, Coxa, vai sacar ou se entregar?

.

 

ghghghghg Samir Namur vai ter, no ano que vem, um orçamento de R$ 103 milhões. Deste valor, 70% poderá ser utilizado com o futebol, Um dinheirinho comparado com o que foi gasto este ano.

.

Como se volta à Serie A com um orçamento limitado?

Primeiro, organizando o clube, que gastava muito e mal. Agora, o orçamento limita a folha de pagamento a 1,3 milhão por mês.

Segundo, contratando um especialista em Serie B. O Coxa tentou Renê Simões, que não aceitou. Há outros que podem assumir o cargo de diretor profissional de futebol.

Mas não há muitos outros.

Toda escolha, numa hora dessas, é difícil e decisiva.

E pode ser fatal.

Num daqueles filmes de faroeste, John Wayne pergunta ao bandido, os dois em pé na Main Street, a dez metros um do outro:

-Escolha: vai sacar ou se entregar para eu levá-lo ao juiz Nordon?

(O juiz é famoso pelo número de enforcamentos que promove.)

 

Posted on 15th dezembro 2017 in Sem categoria  •  No comments yet
post

Em janeiro, se puder, deixe o carro em casa

.

 

hhjhjhjh A previsão é de que em janeiro vai chover muito – chover multa.

 

 

.

Está no Metro:

“Guarda Municipal vai aplicar multa de trânsito”.

O jornal conta que, segundo a prefeitura, “guardas vão adicionar fiscalização de trânsito às suas funções normais a partir de janeiro, nos locais onde a GM já circula com frequência.”

O orçamento municipal é de oito bilhões e a conta não fecha.

 

Posted on 15th dezembro 2017 in Sem categoria  •  No comments yet
post

NÃO HÁ NADA TÃO DOLOROSO COMO UMA GRANDE VITÓRIA, CORITIBA – EXCETO UMA GRANDE DERROTA

.

 

hhjhjhjh O Glorioso

 

 

.

 

 

 

Olho para minha camisa verde e branca, com a data 1985 na manga. Como garantir que, daqui a um ano, vou usá-la em jogos do Brasileirão?

Nebuloso é o futuro do Coritiba.

Caiu sem glória, sem sangue, sem um grito de dor, boxeador manso que desaba grogue de tanto apanhar.

Perdeu o rumo traçado pelos fundadores alemães, poloneses, italianos, dinamarqueses, o cearense Couto Pereira, o “argentino” Fritz Essenfelder. Eles queriam jogar futebol.

O atual capítulo de tragédia coxa branca começou a ser escrita em 2011, ano da inesquecível série de 22 vitórias, quando a fogueira de vaidades sabotou a conquista da Copa Brasil. E a irresponsabilidade fiscal ampliou as dívidas, principalmente a trabalhista.

***

Pobre do clube que precisa de heróis.

Numa hora dessas, entretanto, é impossível não lembrar de Arion Cornelsen, de Evangelino Neves, dos Mauad – gente que consolidou o patrimônio do clube e construiu uma história de conquistas esportivas.

Depois, sumiram os líderes capazes de inspirar uma visão do futuro, carregar a massa de volta ao estádio para transformar a visão em realidade. Vivemos um tempo sem luz.

É a era dos eiros – politiqueiros, marqueteiros e milagreiros. Da tenebrosa campanha para derrubar o estádio Couto Pereira. Do business as usual.

Clube tem que produzir craques, ganhar campeonatos, alegrar a torcida e a cidade.

***

Está na hora de tirar os homens de bem do meio da torcida e fazê-los conselheiros e diretores. Livrar-se dos oportunistas, dos ingênuos e dos despreparados. A instituição é muito grande para ficar na mão deles.

***

Não custa repetir: a diretoria está lá para resolver problemas administrativos e financeiros, que são muitos – nunca para contratar ou escalar jogador, jamais para derrubar o técnico.

O Coritiba chegou à segunda divisão depois de contratar três técnicos, 56 jogadores, um mundo de assessores. Um dos técnicos, Paulo Cesar Carpegiani, foi dispensado um mês depois de ter o contrato renovado. Foi para o Bahia que estava entre os quatro últimos e conquistou uma vaga na Sulamericana.

***

Agora, não basta a primeira divisão. O Coxa tem que voltar glorioso, nos braços do povo, orgulhoso de sua história.

Para chamar a torcida para dentro do clube, uma simples proposta: criar o voto direto para presidente.

Uma reforma no estatuto estabelecerá: todos os sócios com mais de 16 anos poderão votar para presidente. A maioria elegerá democraticamente o líder da nova era coritibana.

Sem aventuras – cada chapa será endossada por cinquenta conselheiros.

Haverá um presidente forte, eleito por milhares de sócios, uma proposta de gestão e uma diretoria comprometida com o futebol, com a formação de atletas, com a ética e com a vitória.

 

Posted on 4th dezembro 2017 in Sem categoria  •  No comments yet
post

Vai comprar um carro novo? Pense de novo

.

hhkhkhkh Renault Zoe, elétrico campeão de vendas. Aqui custaria perto de 100 mil reais.

 

 

.

 

Está difícil entender o Brasil.

O carrão zero ainda é o sonho para a maioria. Pode ser o novo Polo, o Chevrolet Onix, o Argo da Fiat, o Hyundai HB20, até o Honda Fit ou o Ethios.

Todos carros para gente sem juízo, é só pesquisar um pouco.

Investiguei quando o carro elétrico vai ficar mais barato do que o carro a gasolina.

A resposta surpreendeu: já é mais barato rodar em carros elétricos em países como a Inglaterra, Estados Unidos e Japão.

O custo mais baixo estimula vendas de carros elétricos. Atualmente, o custo é subsidiado parcialmente pelos governos. Na Inglaterra, quem compra um Nissan Leaf por 22 mil libras recebe 5,5 mil do governo para ajudar no negócio. Mas logo os elétricos serão a opção mais barata mesmo sem subsídio.

***

Na Inglaterra, a virada acontecerá daqui a 18 meses, em maio de 2019, segundo a Energy and Climate Intelligence Unit, citada pelo The Guardian.

As análises favoráveis ao carro elétrico consideram um período de quatro anos e estimam que a eletricidade vai continuar mais barata que o diesel e bem mais barata que a gasolina.

Os outros fatores considerados foram preço e depreciação, seguro, imposto e manutenção. O preço tende a cair com os ganhos de escala, porque as vendas de elétricos vêm crescendo sem parar.

O custo da bateria era alto; vem baixando de ano para ano.

As boas notícias por enquanto não valem para o Brasil do Meireles e do Jucá, onde o pessimismo é meio obrigatório.

***

P.S. – O Millor dizia que o pessimista acerta duas vezes – quando acerta e quando erra.

 

Posted on 2nd dezembro 2017 in Sem categoria  •  No comments yet
post

Palácio Encantado

.hjhjhjh

Vinte atores e bailarinos. Para não dizer que o espetáculo é completamente paulistano, durante três minutos o coral de 111 crianças do Natal Bradesco canta Estão Voltando as Flores do paranaense Paulo Soledade.

 

 

 

A apresentadora é a boa cantora, atriz e bailarina Simone Gutierrez. Tenho a maior admiração por ela, que emagreceu quase 40 quilos sem cirurgia bariátrica – só na moral.

O show dura 45 minutos. Vai de 1º a 17 de dezembro. Parte é dedicado a compositores nacionais. Clareana, Vilarejo, Chuva no Brejo. Joyce e Marisa Monte.

Mas o forte vem de fora, começando por White Christmas, que Irving Berlin compôs em 1940 e pouca gente ainda aguente ouvir, principalmente nesta época do ano.

Ninguém fala quanto custou o espetáculo, que é bancado pela Lei Rouanet, nem porque não encomendaram canções novas, com tanto compositor bom disposto trabalhar para o Natal curitibano.

Quem quiser assistir ao espetáculo sem apanhar chuva (ontem teve garoa) deve procurar uma certa AMR Turismo, que vende camarotes no prédio em frente. 1590 reais por um camarote com dez lugares, com direito a um pacote de biscoito e uma água mineral.

Quem estiver com preguiça pode ficar em casa. O Bradesco promete transmissão pelo YouTube.

.

hjhjhjh Muita cor.
Posted on 26th novembro 2017 in Sem categoria  •  1 comment
post

O pinheirão do Centro Cívico

.

 

 

ghhhhkh Para fazer um pinheirinho às vezes basta uma criança. Para um pinheirão, como o da Prefeitura, é necessário muitos adultos – eletricistas, carpinteiros, gente com habilidade e coragem para subir na estrutura em construção.

 

.

 

Posted on 25th novembro 2017 in Sem categoria  •  No comments yet