logo
Governo e política, crime e segurança, arte, escola, dinheiro e principalmente gente da cidade sem portas
post

A BRIGA NA UNICURITIBA E O PADEIRO QUE FAZIA PÃO DE PURO TRIGO

.

hhkhkhkh No passado sempre esteve entre as melhores.

 

.

Uma vez, em 1946, Rubem Braga escreveu uma crônica em louvor ao padeiro de Brás de Pina. Dizia: “Gloria ao padeiro que acredita no pão. Não acreditam na paz os homens que a fazem; até a guerra a fizeram sem acreditar. Gloria a ti, padeiro que fazes pão”.

Acontece que havia racionamento de trigo naquele pós-guerra. A ordem às padarias era misturar farinha de trigo com farinha de milho, acho que meio a meio. Um pão horroroso. O padeiro do subúrbio de Brás de Pina foi apanhado fazendo pão de trigo puro e ia ser punido pelo crime contra a economia popular.

O Braga indignou-se: como punir o padeiro do pão puro?

“Entre o falso leite, a falsa arte, a falsa crítica de arte, o falso dinheiro do governo, a falsa palavra do político; entre a falsa mulher, a falsa meia de nylon, a falsa campanha, a falsa democracia, glória a ti, padeiro de Brás de Pina!”

***

O padeiro punido por fazer pão puro lembra a luta de alunos e professores contra o grupo Anima, que comprou a velha Faculdade de Direito de Curitiba, agora chamada UniCuritiba. Eles lutam pelo diploma puro.

O Grupo Anima, sabem os investidores, é uma organização empresarial com ações na Bolsa. (Ontem a ANIM3, ordinária ao portador, estava cotada a 24,96. Valia 9,66 em 4 de setembro de 2015, valorização de quase 300%). Fez com a Faculdade de Direito o que faria se tivesse adquirido uma fábrica de pães e biscoitos: cortou custos para aumentar os lucros. Criou as tais Unidades Curriculares, que dispensam os professores de dar certas aulas e os alunos de aprender certos conteúdos.

Agora pense bem: uma coisa é você sair burro da faculdade porque matou aula, outra é ganhar um diploma que não representa o conhecimento necessário para advogar. Um falso diploma. Você não saberá o suficiente para passar no exame da OAB. E mesmo que faça um cursinho e consiga a carteirinha, terá dificuldade para entender as causas mais complicadas.

***

Sempre achei que aprende Direito quem fica por perto dos professores. As aulas noturnas da velha FDC continuavam no cafezinho da Boca Maldita, onde o professor Eros Gradowski, uma enciclopédia jurídica, ia até a meia-noite discutindo de Darcy Azambuja a Leon Duguit ou, se necessário, Sigmund Freud ou o fenômeno da comunicação de massas.

Para manter professores e alunos próximos a School of Law da Universidade de Nova York funciona desde 1836 na muvuca do sul de Manhattan em velhos prédios ao redor da Washington Square. E estimula professores a morar por perto; alguns ganham apartamento com aluguel subsidiado.

A Ecole de Droit da Sorbonne continua lá no velho endereço: 12, Place du Panthéon. Professores e alunos podem se encontrar depois da aula em alguma das dezenas de livrarias ao redor – uma delas é a famosa Shakespeare & Company, a 900 metros, na margem do Sena.

***

Universidade é isso: professor e aluno se olhando, pesquisando juntos em salas dignificadas pela história de quem sentou naquela cadeira, quem escreveu naquele quadro negro.

O resto – aula remota, currículo aglutinado – é falsificação, é pão sem trigo, é falso paraninfo com voz embargada pela falsa emoção de uma falsa formatura de um falso advogado.

***

Posted on 8th julho 2020 in Sem categoria  •  No comments yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *