logo
Governo e política, crime e segurança, arte, escola, dinheiro e principalmente gente da cidade sem portas
post

Uma vida de devoção ao sagrado direito de defesa

.

 

gghghg Renê Dotti nasceu em 15 de novembro de 1934, o Dia da República.

 

.

Somos muitos a prantear a perda de Renê Dotti: colegas jornalistas e advogados, antigos clientes, confrades da Academia Paranaense de Letras, companheiros da Boca Maldita, onde Renê brilhava, com seu fino humor, como orador do famoso jantar anual.

Estou em todas essas categorias. Estive com ele na redação do Diario do Paraná, na Boca Maldita, na APL e na Auditoria da 5ª. Região Militar, durante um momento sombrio e bizarro de 1964.

Difícil porque, como todo Brasil, o Paraná vivia um clima de radicalização política, de ódio entre irmãos. Bizarro porque esse ambiente permitiu a um promotor delírante imaginar que a redação curitibana da Ultima Hora era uma célula do comunismo internacional. Ofereceu denúncia contra 26 profissionais de imprensa, pedindo para eles penas que, somadas, alcançavam mais de 400 anos de prisão.

Renê se indignou e assumiu seu lugar na equipe de defesa em que estavam os advogados José Carlos Alvim, Serrano Neves, Raul Lins e Silva, Elio Narezi, Alir Ratacheski, Alberino de Mattos Guedes, Ildemar Teixeira Soares, Aurelino Mader Gonçalves, J.E. Soares Camargo, Antonio Alves do Prado Filho, Antonio Acir Breda e Jorge Bueno Gomm.

“O libelo oferecido contra os profissionais de imprensa é uma autêntica comemoração do estádio barbárico do Direito Penal, quando se ignorava o primado da culpabilidade para a imposição de pena e os réus deveriam deduzir a acusação nos autos ou fora deles, numa completa subversão da natureza do processo criminal acusatório”, escreveu Renê no pedido de habeas corpus impetrado junto ao Supremo Tribunal Federal.

A denúncia foi julgada inepta e mandada arquivar. Mas dela ficou o ensinamento: a Justiça é um conceito abstrato que exige empenho e talento para se materializar. E acima de tudo demanda coragem para enfrentar os tribunais da inquisição que existiam e continuam existindo por aí.

Vamos sentir falta do Renê.

 

Posted on 11th fevereiro 2021 in Sem categoria  •  No comments yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *