logo
Governo e política, crime e segurança, arte, escola, dinheiro e principalmente gente da cidade sem portas
post

Tenho em mim todos os sonhos do mundo, disse o Nego Pessoa. Foi-se um grande escritor

.

hjhjhjh Carlos Alberto Pessoa, vamos sentir falta dele.

.
Sem o Nego Pessoa, quem vai me dizer o que ler?

Pego o Carlos Drummond de Andrade, obra completa, de 1964, editado pela Aguilar em papel bíblia. Era do Nego. Todo anotado, um pouco a lápis, um pouco com bic vermelha.

Cobicei, fizemos a troca pelo Garcia Lorca.

O tempo que passa preocupava o Drumond. “Sinto que o tempo sobre mim abate sua mão pesada. Rugas, dentes, calva…Uma aceitação maior de tudo, e o medo de novas descobertas.”

Na página 195, o Nego anotou em vermelho os versos da Cidade Prevista: “Irmãos, cantai esse mundo que não verei, mas virá um dia, dentro em mil anos, talvez mais…não tenho pressa.”

Agora ele foi, todos vamos daqui a pouco, com esperança de encontrar o país de riso e gloria que o Poeta cantava. Sem dor, sem febre, sem ouro.

Onde seja possível torcer pelo Coxa na arquibancada do Atlético.

Onde, como escreveu o Carlos Alberto Pessoa em “O velho e rude esporte bretão”, seja possível viver cento e quinze anos e escrever as obras completas de William Shakespeare.

.

Posted on 14th agosto 2017 in Sem categoria  •  No comments yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *