logo
Governo e política, crime e segurança, arte, escola, dinheiro e principalmente gente da cidade sem portas
post

SZE – Uma ideia para melhorar Curitiba

.

Está no BemParaná: “Levantamento divulgado pela Paraná Pesquisas aponta empate técnico entre quatro candidatos na disputa pela prefeitura de Curitiba: o atual prefeito Rafael Greca (PMN, na época, agora no DEM), o deputado federal e ex-prefeito Gustavo Fruet (PDT), o deputado federal e secretário da Justiça, Trabalho e Família, Ney Leprevost (PSD) e o deputado estadual Fernando Francischini (PSL).”

 

O que significa isso? Nada.  (*)

 

Uma pesquisa de intenção de voto a um ano e meio da eleição não quer dizer nada. Ajudou o Fernando Francischini a ficar um pouco mais conhecido? Verdade, mas também contribuiu para colar o nome dele ao do Bolsonaro, o Presidente que caiu 15 pontos no Ibope em apenas 10 semanas. É um desastre pior que o do Collor em 1990 – só que o Collor havia sequestrado a poupança da gente.

 

Se eu fosse candidato, esquecia a pesquisa. Ia para o bairro conversar, tomar café em copo de vidro, falar sobre ideias para melhorar Curitiba. Como a criação das SuperZonas Escolares, as SZE. É um projeto desenvolvido com êxito em 13 bairros de Londres, estimulado pelo National Institute for Health Research(NIHR).

Para descobrir como funciona, pegue mapa e compasso e trace um círculo com um quilômetro de raio em torno da escola. Pronto, você desenhou uma SZE. Falta construí-la.

Um quilômetro é a distância que a gente consegue percorrer em 10 minutos. E um dia, quando a calçada for boa, será possível estabelecer rotas seguras e estimular os alunos a seguirem a pé, de patinete ou de bicicleta para a aula.  

 

Para o projeto de SZE dar certo é preciso participação de alunos, professores, pais de alunos, ex-alunos, líderes religiosos, moradores e donos de empresas.

A ideia é debatida sem pressa em reuniões semanais. O grupo, com auxílio de um moderador, discute o plano, emenda, altera, suprime o que quiser. O objetivo é chegar ao modelo de SZE que sirva para todos. Escrevem tudo e tornam-se donos do projeto, que inclui ações como

  • Reduzir o tráfego em torno das escolas para diminuir a poluição do ar
  • Restringir a publicidade de alimentos não-saudáveis
  • Criar ou melhorar as rotas para pedestres rumo à escola e
  • Redesenhar os espaços públicos para aumentar a segurança
  • Instalar bebedouros públicos e encorajar o consumo de água em vez de refrigerante
  • Melhorar o acesso e a utilização de espaços verdes
  • Criar hortas comunitárias.

*

 

(*) “Há uma cultura do lixo por ai. Jogamos lixo sobre o público o tempo todo. Depois vem o pesquisador de opinião pública e pergunta ao eleitor: -Está sentido algum cheiro?” Bob Woodward.

 

 

 

Posted on 25th março 2019 in Sem categoria  •  No comments yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *