logo
Governo e política, crime e segurança, arte, escola, dinheiro e principalmente gente da cidade sem portas
post

Como vai ser no segundo turno: “Senhor Prefeito”, “Prefeito” ou “meu amigo Luciano”?

***

Jamais pergunte o que seu adversário sabe.

O povo quer saber o que ele não sabe.

(Conselho a Cassio Taniguchi no famoso debate 

com Angelo Vanhoni – aquele do Procel)

 

 

Como se tratarão no debate O mesmo DNA político.

 

 

 

No New York Times, Michael D. Shear discute a melhor maneira de tratar o oponente durante um debate. Isso é bom. Raros políticos sabem lidar com o cara a cara.

Mas também  é ruim:  o eleitor tem direito a um pouco de espontaneidade.

A primeira recomendação é treinar. Neste fim de semana, Obama e Romney devem estar com seus coaches. Decidem uma questão pode valer muitos votos no debate de quarta-feira: como tratar o outro?

Será “Senhor Presidente” ou “o presidente” o modo como Romney vai se referir ao adversário ao lado? E Obama falará das políticas de quem: do “governador” do “meu oponente”?

Haverá momentos informais em que eles serão “Mitt” e “Barack”?

Milhões de pessoas assistirão aos dois homem discutindo o melhor para o país. É uma das poucas oportunidades de interação durante a campanha. Uma das coisas que o eleitor leva em consideração é essa – o respeito que dedicam ao rival.

Um dos treinadores do candidato republicano, Brett O’Donnell, explica, baseado em pesquisas, que o público espera um certo decoro dos candidatos. “O decoro começa como a forma de tratar o outro”.

O publico vai observar ainda o sorriso, o aperto de mão do início. É uma demonstração de civilidade, respeito e até amizade entre os candidatos. Não custa lembrar que quase sempre eles estiveram alinhados em algum momento da carreira política. Como na hora de declarar guerra ao Iraque ou à Al Qaeda.

Aqui, ficou celebre o debate de 2006 entre Requião e Osmar Dias na Band, com a presença de plateia. Bem próximos, sentados em banquetas, os dois chegaram a trocar olhares irritados, mas o respeito predominou.

Osmar tinha sido secretário de Agricultura de Requião e estava clara a intimidade entre eles. Durante boa parte do debate eles foram “Osmar” e “Requião”.  E tudo terminou bem.

Na hipótese de termos Gustavo Fruet e Ducci no segundo turno, também será um debate entre ex-companheiros. Raphael Greca também andou ao lado de Ducci e Fruet. Ou o contrário.

O único que não fez parte desse grupo de políticos é Ratinho Junior, o mais novo na política. Isso é uma vantagem de um lado – é difícil atacar alguém com biografia enxuta. E desvantagem de outro lado, porque experiência é um bom motivo para o eleitor escolher um prefeito.

O fato de três dos quatro principais candidatos terem o mesmo DNA político ajuda a entender o Paraná e o momento eleitoral. As biografias paralelas levaram muito eleitor a procurar a “novidade”.

Será um salto no escuro? Fernando Collor também era “novidade” em 1989. Os debates do segundo turno ajudarão – mas não muito – a responder essa dúvida.

 

 

Posted on 29th setembro 2012 in Sem categoria  •  No comments yet
post

As pedras do vovô Greca

A pedras do vovô Greca A rua São Francisco estará restaurada em dezembro. Com mesmas as pedras da pavimentação original.

 

Pedras no caminho?

Guardo todas, um dia vou construir um castelo…

                                                                                                                                                                                                              (Atribuido a Fernando Pessoa)

 

 

O Raphael Greca, que está subindo nas pesquisas, anda preocupado com o destino das pedras que pavimentam ruas no Centro Velho. Foram colocadas lá pelo avô Greca. Sobre algumas derramou-se uma camada de asfalto que logo virou farinha de asfalto. Em outras ruas, parece que as pedras sumiram com a renovação.

No Centro Velho, garante a Prefeitura, isso não acontece. As pedras originais continuam lá para guardar a história. Claro, com elas ficam também a prostituição e droga. Mas, qual o problema? Na região dos Halles, antigo centrão barra pesada de Paris, também remanescem prostitutas e traficantes, mas os turistas são maioria. Câmara na mão, observam as moças, a procura de uma nova Irma la Douce. Lembram do filme com Jack Lemmon e Shirley Maclaine, que Billy Wilder fez em 1963?

Se você não viu, vale ir à locadora e pegar uma copia para assistir no fim de semana. É uma comédia musical das melhores, do tempo em que ex-policiais como Nestor, o personagem de Lemmon, se apaixonavam por prostitutas, como a personagem de Shirley Maclaine. Ele era um tira tão honesto, que não aceitou os tradicionais esquemas para proteger o tráfico e o lenocínio e acabou ejetado da polícia.

Aqui, a prefeitura pode:

  1. Estimular o aparecimento de muitos policiais honestos para cuidar da cidade; e
  2. Promover o renascimento de restaurantes bacanas na região. Como o Onha, que oferecia a melhor feijoada de Curitiba.

A Confeitaria Blumenau está onde sempre esteve. E a Casa Hilu ainda vende tecido de qualidade a preço justo. E as pedras – agora mais firmes – dão dignidade àqueles caminhos.

 

Posted on 28th setembro 2012 in Sem categoria  •  No comments yet
post

O eterno Beppi

 

Olha ai o Beppi em 1968, no Santa Mônica, com o Fernandão ao piano. Hora da saudade: Beppi e sua banda em 1968. Jazz no Santa Mônica, com Fernando Montanari ao piano.

 

Ele tem 84 anos e cara de 70. Melhor ainda, memória  de 30. Dá uma olhada na foto de uma orquestra dos anos 70 e vai identificando os músicos – nome e sobrenome – com os instrumentos, as manias, os problemas.

Giuseppe Bertollo, o maestro Beppi, fez a América, como se dizia em Padua. Chegou com dez mil reis no bolso e hoje mora ao lado do Hotel Bourbon,em um apartamento de andar inteiro, que era de um senador da República. Vai frequentamente à Itália e aos Estados Unidos. Só não viaja mais porque agenda é pesada. Continue reading »

Posted on 26th setembro 2012 in Sem categoria  •  No comments yet
post

Polissia, policial francês premiado em Cannes

Ex de Luc Besson, 36 anos, uma filha de 19. Malwenn, ex-mulher de Luc Besson, 36 anos, uma filha de 19. E que boca!

 

 

Polissia é um triller cheio de humanidade.

Filmaço.

Tem histórias, grandes atores, fotografia nervosa, uma edição fantástica.

E Malwenn, ex-mulher de Luc Besson, agora atriz, roteirista e diretora, tudo ao mesmo tempo.

Posted on 22nd setembro 2012 in Sem categoria  •  No comments yet
post

Disse o professor Milton Santos: “O terrível neste mundo de hoje é que aumenta o número de letrados e diminui o número de intelectuais. Tais letrados, equivocamente assimilados aos intelectuais, ou não pensam encontrar a verdade ou, encontrando-a, não a dizem. Nesse caso, renegam a função principal da intelectualidade, isto é, o casamento permanente com o porvir por meio da busca incansada da verdade.”

O professor Milton Santos Milton Santos, geógrafo e sábio brasileiro.
Posted on 21st setembro 2012 in Sem categoria  •  No comments yet
post

Não confundir o prêmio ao talento de Waltel Branco com mais uma ação afirmativa da UFPR

Homenagem a Waltel Branco Waltel Branco, Doutor Honoris Causa da UFPR

 

A Universiade Federal do Paraná concedeu ao maestro Waltel Branco o título de Professor Honoris Causa numa bonita solenidade realizada quarta-feira no salão nobre do prédio histórico da Praça Santos Andrade.

Doutor Honoris Causa, diz o Estatuto da UFPR, “é o titulo atribuído à personalidades eminentes, que tenham contribuído para o progresso da Universidade, da região ou do  País, ou que se hajam distinguido pela sua atuação em favor das ciências, das letras ou da cultura geral.”

O reitor da UFPR, Zaki Akel Sobrinho, ao homenagear o maestro, começou bem seu discurso: historiou o longo caminho percorrido pela proposta – fruto de uma sugestão do desembargador Ney Freitas, ex-presidente do Tribunal Regional do Trabalho de Curitiba e hoje no CNJ – pelos vários colegiados e conselhos da instituição. Em todos, foi aprovada por unanimidade.

Então, o reitor mudou de rumo e referiu-se ao homenageado como figura de destaque na comunidade negra de Curitiba. Ressaltou a ênfase que a administração da UFPR dá às políticas de ação afirmativa.

Ficou a impressão de que o maestro entrou pela cota racial.

Isso, na minha opinião, indica que a proposta não foi adequadamente apresentada aos conselhos. Ou que houve ruido no debate interno e tornou-se inevitável a saida política.

Para entender o correto sentido da homenagem é bom deixar Curitiba, uma cidade complicada, e dar uma chegada, por exemplo, à Universidade de Brasília. Lá, o Estatuto é parecido. Outorga-se o título a “personalidade que se tenha distinguido pelo saber ou pela atuação em prol das artes, das ciências, da filosofia, das letras ou do melhor entendimento entre os povos.”

Na lista dos que receberam da UNB o título de professor Honoris Causa nos anos recentes estão dois negros.

Um é o professor Milton Almeida dos Santos, da Universidade de São Paulo. Ele recebeu também o Prêmio Vantrin Lud, que pode ser considerado o Nobel de Geografia. A Unb premiou sua valiosa contribuição à ciência.

O outro Doutor Honoris Causa é o artista Abdias do Nascimento, que foi respeitado militante do movimento negro. Recebeu o título pelo seu trabalho em prol do entendimento entre as pessoas.

E se a UNB tivesse outorgado o mesmo título a Waltel Branco? O motivo, imagino, seria um reconhecimento pela brilhante contribuição dele ao desenvolvimento das artes, como prevê  Estatuto.

Em resumo, o que se viu quarta à noite no salão nobre do Prédio Histórico da UFPR não foi uma ação afirmativa – foi a reafirmação do talento de um paranaense.

Mestre em música clássica e popular, nosso Waltel conseguiu com seu trabalho aqui e no exterior fazer as pessoas mais felizes e o mundo mais belo.

 

Posted on 21st setembro 2012 in Sem categoria  •  No comments yet
post

Será que ninguém escapa dessa crise?

20120914-160156.jpg

Esse aí é o centro de Estocolmo.

Aqui ficam mais eloquentes os números do paradoxo suéco: a renda per capita nacional anda pelos 40 mil dólares. Uma das maiores do mundo. Mas o exército dos sem-teto é de 34 mil – e não para de subir porque todo dia chega mais gente expulsa de seus paises pela crise.

Maria Markovitz, a presidenta da Fundação de Assistência Social de lá, disse aos jornais que o governo está fracassando em suas políticas sociais.

Posted on 14th setembro 2012 in Sem categoria  •  No comments yet
post

O Doutor Waltel

20120914-150127.jpg

Na comemoração de seu centenário, a Universidade Federal do Paraná vai entregar o título de Doutor Honoris Causa ao maestro Waltel Branco.
Às 19h do dia 19 de setembro, no salão nobre do prédio histórico, na praça Santos Andrade, 50.

Posted on 14th setembro 2012 in Sem categoria  •  No comments yet
post

O Sete de Setembro e suas lições

Desfile de Sete de Setembro Desfile bonito na Avenida Candido de Abreu. (Foto Gazeta do Povo)

 

 

 

Por Adriana Fortes de Sá

 

Meu filho de quatro anos nunca tinha assistido a um desfile de Sete de Setembro. Acordamos cedo e fomos andando – moro perto – até a Avenida Cândido de Abreu. No caminho pipoqueiros, vendedores de algodão doce e de todo tipo de bugigangas. Meu pequeno ignora os apelos até enxergar as bandeirinhas do Brasil. Pergunto o preço:

-Dois real.

–Está cara! reclamo, mas o vendedor se defende:

-Já peguei por um e vinte.

Compro. O pequeno patriota fica feliz e chegamos à Avenida. Arquibancadas cheias. Conseguimos sentar no primeiro degrau. O desfile começa. Muitas crianças e jovens.Várias fanfarras e crianças que aprenderam a marchar e tocar tarol, surdo, caixa de guerra.

Narradores empolgados contam a história gloriosa da Independência e conclamam o povo a aplaudir, explicando:

-Os que estão em frente a arquibancada das autoridades(a única coberta) podem acenar! O Senhor Governador, sua esposa e demais autoridades acenarão de volta!! Acenem!!

Ao meu lado uma senhora, mãe de Kethelen de 10 anos e Camila de dois, doméstica em Curitiba e moradora de Colombo comenta:

-No ano passado as crianças receberam bandeirinhas de graça. Mesmo sendo ano de eleição onde eles(os políticos) tem gastos,  deveriam dar pelo menos uma pequena, do Paraná mesmo!

Generosa, pergunta ao meu filho a toda hora

-Quer suco? Bolacha? Iogurte?

Ele tímido responde que não. Ela trouxe um farnel para ficar das 8:30 às12:30 na Avenida e depois retornar até Colombo.

Agora são 10 e 30.  A bandeira nacional entra em oferta; baixou para um real.

Passa o carro do Bope-Rota, o popular Caveirão. Hora de fortes aplausos. É fácil escutar os comentários:

-Eles prendem os traficantes!Não dão mole! Esses trabalham!! Pena que logo estão soltos de novo!

Um mais exaltado, resume a opinião geral:

-Tinha que pena de morte!!

Palmas para os bombeiros, outra unidade que o povo valoriza. Lá pelo meio do desfile a arquibancada balança e pende para a direita. É a que esta montada em frente às Varas de Família, lugar onde esperamos da Senhora Justiça o que nosso bom senso ou a falta dele não consegue solucionar.

A Polícia Militar manda todo mundo descer da arquibancada e terminamos de assistir ao desfile no aperto da calçada. Foi um espetáculo bonito e cheio de bons exemplos. Chamou atenção o chefe escoteiro. Ele arrancou ali mesmo. na hora, a medalha da menina que no meio do desfile atendeu ao celular.


 

Posted on 8th setembro 2012 in Sem categoria  •  No comments yet