logo
Governo e política, crime e segurança, arte, escola, dinheiro e principalmente gente da cidade sem portas
post

O jogo da tampinha tem a idade do mundo, mas mané é mané

.

gghghg Em 1502, o pintor holandês Hieronymus Bosch pintou The Conjurer (O Ilusionista). Mas o joguinho já existia no antigo Egito.

.

O cenário é o centrão de Curitiba no coração do inverno. Úmida e cinzenta, a cidade venceu a neblina espessa da manhã e agora recebe uma garoa teimosa. A luz do poste que a prefeitura esqueceu de apagar brilha na calçada de pedras portuguesas elogiada pelo guia turístico e odiada pelas moças de salto agulha. (Até abaixo-assinado à Câmara de Vereadores elas fizeram exigindo calçamento digno de capital cosmopolita que somos.)

Bem em frente do Correio Velho, a poucos metros da Faculdade de Direito da Universidade Federal do Paraná, um malandro rola sobre a mesa suas três tampinhas de alumínio. Magro, bigode fininho, paletó xadrez usadão, fala pouco e não diz nada. Com as tampinhas rápido e jeitoso, paga e recebe apostas que eram de um, passaram para dois, agora são de cinco reais.

O joguinho está esquentando. Três apostam, outros tantos espiam.

Quando para de mover as mãos, o malandro sorri com simpatia para parceirinho do outro lado da mesa, que aponta:

-Tá ali.

O bigodinho levanta a tampinha sem nada embaixo:

-Não. Tá aqui – mostra a outra com a bolinha embaixo e puxa para si as duas notas de cinco.

Se acertasse, o parceiro ganhava dez. Faltou sorte, o olho foi mais lento que a mão do outro.

Neste momento chega a cana. Não adianta correr mas eles correm – o de bigodinho, os parceirinhos faróis, o moleque que vigiava do lado errado. Os tiras nem se mexem. Mais tarde irão buscá-los na pensão, no tunguete ou no boteco.

-Você vem conosco – dizem para o jogador que ficou, pesadão, a cara franzida de espanto. No caminho fazem ele contar a vida: de onde é, se tem família, se tem vergonha de ser otário.

-Otário?

-Bobo. Trouxa, Loque embandeirado.

Um tira explica que o joguinho não era jogo, era golpe. As tampinhas rodavam na mesa mas a bolinha sempre sob a unha do malandro.

-Tua chance de ganhar era nenhuma, zero – explica o tira. -Trabalha com quê?

Ele conta o que faz, diz o nome da mulher, do filho e do neto.

-Corra de volta pra casa, compadre. Diz pra patroa que perdeu o dinheiro no ônibus. Mas se te encontro de novo no joguinho tu vai pro Código Penal. Quem joga é cúmplice do crime tá OK?

Antes quem mexia tampinhas era contraventor. Mas o Brasil foi ficando complicado e o joguinho virou crime de estelionato, descrito no art. 171 do Código Penal. O mundo também ficou complicado, tanto que o novo livro

Na Boca Maldita tem um velhinho metido a filósofo que gosta de comentar as notícias do dia. Ele fecha o jornal onde o otário mereceu matéria de duas colunas na página policial e fala:

-É bom ter gente na cadeia pelo crime de jogar tampinha, vender cigarro de maconha, roubar comida no supermercado.

Dá um suspiro:

-Ruim é que é tudo pobre.

 

.

 

 

 

Posted on 2nd setembro 2019 in Sem categoria  •  No comments yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *