logo
Governo e política, crime e segurança, arte, escola, dinheiro e principalmente gente da cidade sem portas
post

Eu, Mari Fernandes

.

jkjkjkjj .

 

.

A notícia percorreu as redes de wattsup, os posts do Facebook, o Twitter, o Instagram, e blogs sem conta.

A professora Mari Fernandes, que supostamente mora no interior de São Paulo, escreveu ao Ministro que falou mal dos mestres. Suavemente indignada, exaltou o trabalho dos que sacrificam parte dos vinte dias de descanso anual corrigindo provas e preparando aulas.

Como não amar tanta devoção às crianças? Como desacreditar quando ela afirma que os culpados pela tragédia nacional são os políticos e os burocratas empedernidos?

Não senhor Ministro e senhores burocratas comissionados, não se preocupem! Os professores não levarão este país a falência, sabe por quê? Porque se depender da consciência política de nossos representantes, ele já está falido. Sim, esta falência atribuímos a todos os deputados, senadores, prefeitos e governadores que fazem da política uma carreira e não sabem que não existe dinheiro público, existe dinheiro do povo!”

Eu ia me comover, quando lembrei: a professora Mari Fernandes não é professora. Aliás, nem é gente – é um robô.

Mas não morde, não prejudica ninguém. Só quem acredita nela.

O escândalo da Cambridge Analytica permitiu confirmar que há centenas – milhares? – de robôs trabalhando nas redes sociais.

Estão em todos os debates. Assumem o papel de professores, pais de família, torcedores do Corinthians, trabalhadores desanimados com tanta degradação. A missão dos robôs – como a dos idiotas úteis – é disseminar boatos e fortalecer convicções.

Por exemplo: política é coisa de bandido.

***

A professora Mari não fala mal dos juízes, ou dos militares, ou do Jornal Nacional, ou da oligarquia financeira que comanda o país. Não tem programa para isso.

Também por falta de programação ignora a má distribuição da riqueza, a concentração da propriedade rural, os leilões do pré-sal, as empresas de transmissão de energia vendidas na bacia das almas.

Mas sempre estará por ai para duvidar da honestidade da urna do Tribunal Eleitoral. E defendendo a família, o equilíbrio dos contratos, a lei e a ordem.

***

“…você simplesmente não consegue ver diferença entre um robô e o mais autêntico dos seres humanos.” (I. Asimov)

 

Posted on 8th maio 2018 in Sem categoria  •  No comments yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *