logo
Governo e política, crime e segurança, arte, escola, dinheiro e principalmente gente da cidade sem portas
post

Democracia hackeada

.

 

gfgghhh Não pode haver suspeita sobre o sistema de votação.

 

 

 

.

 

A Wikipedia informa que Hacking Democracy foi um documentário indicado ao Emmy de 2006.

O filme foi transmitido pela HBO e criado pelo produtor Robert Carrillo Cohen e pelos produtores / diretores Russell Michaels e Simon Ardizzone e pelos produtores executivos Sarah Teale, Sian Edwards & Earl Katz.

Ele nos mostra como é relativamente fácil entrar em uma máquina de votar da Diebold Voting System, empresa então situada no estado americano de Ohio, e alterar o resultado de uma votação.

Era simples penetrar pela porta dos fundos do software da Diebold, usado para coletar votos em 33 estados americanos.

Em uma das cenas mais dramáticas o próprio hacker aparece manipulando a máquina e retirando dela um resultado falso.

O que isso tem a ver com as denúncias de Trump sobre fraude eleitoral?

Tem tudo a ver.

A Diebold foi vendida para a Dominium Voting Systems, responsável pela votação eletrônica em 28 estados, entre eles Wisconsin e Georgia, onde os resultados foram contestados pelos advogados do Partido Republicano.

Agora, voltamos ao Brasil.

Em 2002 a urna eletrônica brasileira não era brasileira –  era da Diebold. A empresa passou a se chamar Premier Election Solutions até ser comprada pela Dominium.

Mas agora em novembro, o Tribunal Superior Eleitoral informa que “todo o projeto da urna eletrônica brasileira e do sistema eletrônico de votação foi concebido e é gerido inteiramente pela Justiça Eleitoral do país.”

A notícia prossegue garantindo que “as urnas brasileiras foram projetadas por servidores e técnicos a serviço da Justiça Eleitoral e são produzidas, sob a sua direta coordenação, por empresas selecionadas mediante licitações públicas e de ampla concorrência.”

Servidores e técnicos a serviço da Justiça Eleitoral? Quem é essa gente? O que eles fizeram para impedir a ação de hackers? Que empresas foram selecionadas para participar da licitação? Onde eu acho os documentos da licitação?

Parece que agora as urnas eletrônicas são fabricadas pela Positivo. Mas, a taxa de transparência é muito baixa. Que tipo de processador é usado? Qual o software? Os votos são salvos em cartões de memória? São transmitidos online?

Há muita pergunta sem resposta quando se trata da segurança da urna eletrônica. A principal é: Por que não permitem a impressão do voto?

*

A bancada do Partido dos Trabalhadores (PT) solicitou investigação sobre a declaração de Jair Bolsonaro desta quinta-feira,7. O presidente da República declarou que “se nós não tivermos o voto impresso em 2022, uma maneira de auditar o voto, nós vamos ter problema pior que os Estados Unidos”.

Fonte: Agência Senado

*

 

 

 

 

Posted on 8th janeiro 2021 in Sem categoria  •  No comments yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *