logo
Governo e política, crime e segurança, arte, escola, dinheiro e principalmente gente da cidade sem portas
post

Presentes de Natal (ainda dá tempo)

.

 

 

 

hhkhkh Uma pincelada do Candinho – imaginem! – vale um monte de dinheiro.

 

 

.

O quadro acima é Lavadeiras, de Candido Portinari, de 1945.

Ao apresentá-lo a um grupo de amigos durante jantar em sua casa no Cosme Velho, o pintor revelou: estava rico é era explorado de maneira quase indecente pela família, que morava em Brodowski, no interior de São Paulo.

O pai, contou Candinho, chamou um trabalhador para um serviço de reparos na casa. “Quanto você vai cobrar?” -“Centro e cinquenta mil réis”.  -“Não faça isso. Cobre mais. Meu filho é rico. Com uma pincelada ganha um montão de dinheiro.”

Os convivas eram Djanira e Milton Dacosta, um funcionário do Banco do Brasil não nominado, Marques Rebelo e Elza, o escritor espanhol Francisco Ayala, além do casal Drummond.

Rebelo lembrou o irmão de Portinari, que, vindo ao Rio, comeu de uma só vez dezoito maçãs importadas. “Ele pensa que é feijão”, justificou o pintor.

*

A vida era risonha para o poeta Drummond, que tinha bom emprego no ministério da Educação, recém instalado no prédio modernista construído por Lucio Costa e Oscar Niemeyer, a pedido de Gustavo Capanema.

Tinha uma sala no décimo andar e da janela contemplava a baia da Guanabara.

*

O diário de Drummond, chamado O Observador no Escritório, foi editado em 2020 pela Cia das Letras no formato esbelto de 14 por 21 cm. Comprei pela internet e recebi em dois dias. Sou absolutamente contra a privatização dos correios.

.

Posted on 6th janeiro 2021 in Sem categoria  •  No comments yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *