logo
Governo e política, crime e segurança, arte, escola, dinheiro e principalmente gente da cidade sem portas
post

RECADO PARA JANETY

.

klklklklk

Achei na internet. Será assim a Janety que o banco está procurando para acerto de contas?

.

 

“Janety de O…, a situação do contrato ITAU esta se agravando. Não deixe acumular mais juros. Negocie no 0800…”

Chegou mais um recado para a Janety no meu celular. Não sou parente nem vizinho, jamais conheci Janety alguma mas o robô do Itau não para de disparar mensagens. Parece que o banco me elegeu mensageiro da má notícia.

Imagino que foi um empréstimo feito nos bons tempos, quando o casal estava empregado. Veio a pandemia, o Paulo Guedes, a demissão. As contas se acumularam. Passaram a pagar só as mais urgentes – mercado, farmácia, escola.

E o carro? Virou uber. Sustenta a família.

*

A dívida incha graças a um tal de anatocismo (*) que reina despótico no sistema financeiro. Todo mês a dívida é engordada por juros, Imposto sobre Operações Financeiras, mais juros sobre o mês que não foi pago, mais IOF sobre os juros vencidos. E no outro mês aumenta tudo de novo.

O financiamento custa mais por causa do spread, que é a diferença entre o que o banco paga ao investidor e o que cobra de quem pega empréstimo. No tempo da inflação, o banco pagava, vamos supor, 11,25% a quem aplicava sua economia em Certificados de Depósito Bancário e cobrava 31,25% pelo financiamento do carro. Dava 20% de spread, quase recorde mundial.

Marcel Solimeo, economista-chefe da Associação Comercial de São Paulo, aconselha a ler muito bem o contrato, porque lá dentro costumam aparecer outros valores, como taxas contratuais ignotas, comissões, tarifas e outros tipos de encargos. Não é muito na hora da assinatura. Fica enorme 48 meses depois.

*

Em resumo, Janety está ferrada.

A não ser que haja um milagre.

Se encontrar com ela, por favor, avise que tramitam no Senado Federal dois projetos de lei que suspendem a cobrança de financiamento de veículos durante a pandemia de coronavírus. O PL 3.534/2020, da senadora Rose de Freitas (Podemos-ES), suspende o pagamento de financiamentos de veículos por 120 dias. Já o PL 3.521/2020, do senador Sérgio Petecão (PSD-AC), permite a suspensão do pagamento de parcelas de financiamento da linha de crédito do FAT Taxista — que é  uma linha de crédito específica para esse profissional — durante a pandemia de covid-19.

Lute pelo milagre, Janety.

***

(*) – Anatocismo – Capitalização dos juros de um valor emprestado. Pela saudosa Constituição de 1988, os juros não podiam exceder 12% ao ano.

 

Posted on 15th julho 2020 in Sem categoria  •  No comments yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *