logo
Governo e política, crime e segurança, arte, escola, dinheiro e principalmente gente da cidade sem portas
post

A arte do encarcerado

.hhjhjh

Os Estados Unidos guardam em suas prisões 2,3 milhões de pessoas. O confinamento em massa gerou manifestações artísticas.

.

 

O blog da New York Review of Books conta o que aconteceu com o projeto Marking Time: Art in the Age of Mass Incarceration (Contando o tempo: Arte na Era do Encarceramento em Massa), do Museu de Arte Moderna de NYC: a pandemia do COVID-19 colocou em prisão domiciliar a população e os curadores da mostra, transferida para o segundo semestre.

A autora Nicole Fleetwood é professora de Estudos Americanos e História da Arte na Universidade Rutgers. Seu livro nasceu como pesquisa acadêmica sobre o encarceramento em massa nos Estados Unidos. Um trabalho de nove anos que resultou em depoimentos, fotos, desenhos e aquarelas, além de relatos como a vergonha e a dificuldade de falar sobre as experiências prisionais em público.

Foi um jeito, ela explica, de lidar com a tristeza de ver tantos parentes,vizinhos e amigos de infância confinados em prisões por anos, muitos pela vida inteira.

A cidade em que Nicole cresceu dependia de tecelagens que ofereciam empregos aos trabalhadores da baixa classe média negra. Crises fecharam as fábricas e inviabilizaram os sindicatos. Nas décadas de 1980 e início de 1990, ela testemunhou jovens negros, e também mulheres e homens idosos, sendo embarcados para a prisão com tanta frequência que tornou-se corriqueiro o súbito desaparecimento e a longa ausência deles.

O livro e a exposição postergada devido ao Covid-19 denunciam o que a autora chama de Estado-Carcereiro, que nasceu da necessidade de esmagar os movimentos radicais dos anos 1960 e 1970, da Guerra às Drogas, das consequências adversas da Guerra à Pobreza, Guerra ao Terror, desindustrialização, políticas neoliberais, educação pública segregadora e punitiva, políticas de austeridade e permanente discriminação contra não-brancos, gays e outros grupos.

Uma iconografia nasceu da violência contra esses grupos minoritários. Posters de “Procura-se”, imagens de negros algemados, revistados, subjugados, fotos de identificação policial (mug shots) frequentavam os tabloides locais e nacionais e fortaleciam a imagem do “negro perigoso”, ladrão, assassino ou traficante de crack. Esse material foi reprocessado nas celas sob a ótica do encarcerado.

gghghghg Os negros são perigosos – as “mug shots” dos jornais confirmavam.

*

Texto completo (em inglês) aqui

https://www.nybooks.com/daily/2020/04/28/creation-in-confinement-art-in-the-age-of-mass-incarceration/

 

 

Posted on 29th abril 2020 in Sem categoria  •  No comments yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *