logo
Governo e política, crime e segurança, arte, escola, dinheiro e principalmente gente da cidade sem portas
post

A Loucura das Multidões

.

 

hhmmh Capa da edição digital.

 

.

Cientistas usam a psicologia comportamental para explicar a diferença entre decisões econômicas racionais e irracionais. O estatístico Francis Galton, um primo de Charles Darwin, descobriu que os frequentadores de uma feira rural na Inglaterra, que disputavam um prêmio para quem acertasse no olho o peso de um boi gordo, eram bons de palpite. A média das avaliações estava muito perto do peso real do animal.

Em um livro chamado A Sabedoria das Multidões (2004) James Surowiecki descreve o que é necessário para uma multidão oferecer previsões acuradas: deve fazer análises individuais independentes, ter diversidade de experiências e um método efetivo para agregar suas opiniões.

Os problemas começam quando os indivíduos começam a ser influenciados pelo pensamento dos outros. “Quanto mais um grupo interage”, escreve Bernstein, “quanto mais ele se comporta como uma verdadeira multidão, menos precisas são suas avaliações”.

Freidrich Nietzsche escreveu algo parecido: “Loucura é rara no indivíduo – mas em grupos, partidos, multidões ela é a regra”

Charles Mackay, autor de “Extraordinary Popular Delusions”, um clássico de 1852, ensina: “O homem pensa como rebanho; enlouquece em manada, e só recupera o bom senso lentamente, um por um.”

 

.

 

 

 

Posted on 30th agosto 2021 in Sem categoria  •  No comments yet

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *